E você, que farmácia quer ter?


07/03/16

Em maior ou menor medida todos os farmacêuticos querem oferecer serviços assistenciais, no entanto, nem todos sabem como fazê-lo, como começar, quais selecionar ou se os devem cobrar, algo que, para a maioria dos profissionais, é indispensável porque só assim será possível e rentável avançar para uma farmácia assistencial. Ainda que, de acordo com os especialistas consultados pelo CF, "avançou-se muito na oferta de serviços profissionais", a realidade é que "não estão implementados", explica Damián Barris, titular de uma farmácia em Benalmádena (Málaga) de referência em serviços. Para Lluis Triquell, da Antares Consulting, um dos problemas é que "ainda há farmacêuticos que não sabem em que ponto estão".

 

Para sabê-lo, CF recorreu a um questionário desenvolvido pela Antares Consulting  para avaliar o tipo de farmácia que tem cada farmacêutico em relação aos serviços profissionais. "É uma ferramenta de autoanálise", explica Triquell que "pode ajudar a dar um passo em frente e passar de uma farmácia anónima a uma de referência em serviços assistenciais".

 

O questionário atribui às farmácias uma pontuação que a situa entre quatro tipos: de referência, potencial, assistencial ou anónima. Para chegar a ser uma farmácia de sucesso, Triquell só coloca uma condição: "Ter predisposição para mudar a forma de trabalhar". (…)

 

Continuar a ler...


Fonte: Correo Farmacéutico
Aceder à notícia original

Copyright © 2019 Antares Consulting S.L. Todos os direitos reservados   |   Informações legais e Política de privacidade